Cassol e bancada federal estabelecem prioridades para o orçamento de 2019

  • Imprimir
  • Relatar um erro
  • A+ Aumentar a fonte
  • A- Diminuir a fonte

Em reunião nesta quarta-feira, (31) o senador Ivo Cassol (PP-RO), em conjunto com a bancada federal de Rondônia, definiu os projetos que serão priorizados para o estado no orçamento de 2019. No total, as emendas de bancada alcançam R$169 milhões e serão usadas prioritariamente nas áreas de saúde, educação, infraestrutura e segurança.

Depois de uma ampla discussão, ficou acertado que o IFRO (Instituto Federal de Rondônia), unidade de São Miguel, receberá R$11,7 milhões. O reforço na segurança pública veio com a determinação de destinar R$ 20 milhões para a construção da sede da Polícia Civil em Porto Velho.

Vilhena deverá ter R$ 11,9 milhões para reconstrução do hospital regional do município, que tem mais de trinta anos e enfrenta uma grave crise. Outro município beneficiado por emenda de bancada será Ji-Paraná que vai receber R$20 milhões também para a reforma do hospital.

Um dos grandes problemas do estado, a questão da infraestrutura, em especial das estradas também mereceu atenção dos parlamentares que coletivamente destinaram uma emenda no valor de R$45 milhões para colocação de asfalto na chamada rodovia 45, que no futuro vai interligar Corumbiara, Parecis, Santa Luzia, São Felipe, Alta Floresta, Rolim de Moura, Brasilândia e Urupá. A ideia é que o trecho seja interligado com uma rodovia paralela, a BR-364. A bancada também previu investimentos de cerca de R$60 milhões para a compra de maquinário que deverá atender a todos os municípios do estado.

O senador Ivo Cassol destacou a responsabilidade da bancada na divisão dos recursos. “Mesmo sem mandato, sem termos sido reeleitos, estamos aqui trabalhando pelo povo, sem atentar contra o patrimônio da população de Rondônia, estou aqui terminando o meu mandato, deixo nas mãos da minha irmã, Jaqueline Cassol que foi eleita deputada, a oportunidade de continuar esse trabalho em benefício de todo o povo do nosso estado”, concluiu o senador.