Cassol pede apoio a Bolsonaro para que libere a pílula do câncer

  • Imprimir
  • Relatar um erro
  • A+ Aumentar a fonte
  • A- Diminuir a fonte

O senador Ivo Cassol (Progressistas-RO) defendeu nesta quarta-feira, (28) no plenário do Senado a liberação da pílula do câncer, a chamada fosfoetanolamina. O medicamento teve a distribuição suspensa por ordem do Supremo Tribunal Federal. Cassol se reuniu com o presidente eleito Jair Bolsonaro nesta semana, acompanhado da deputada federal eleita Jaqueline Cassol e do secretário-geral dos Progressistas-RO Luiz Paulo Batista, e relembrou que ele e Bolsonaro travaram uma batalha pela liberação do medicamento, que teria mostrado resultados significativos no tratamento contra o câncer.

Cassol pediu apoio do presidente do Senado, Eunício Oliveira e também ao presidente da República eleito, Jair Bolsonaro, para que atuem junto ao STF pela liberação do remédio. “ Fui reivindicar o anseio de todo aquelas pessoas que foram diagnosticadas com câncer e para quem nós trabalhamos, aqui no Senado Federal, a liberação da fosfoetanolamina, a pílula do câncer”.

O senador ressaltou a decisão do Congresso de aprovar o medicamento, que chegou a ser sancionado pela ex-presidente Dilma Rousseff, mas a Associação Médica Brasileira, entrou com uma ação na justiça para cancelar a distribuição e assim impedir o uso da fosfoetanolamina.

“ Eu fiz uma solicitação ao presidente eleito, Jair Bolsonaro que faça um trabalho para liberar junto ao Supremo Tribunal Federal (STF), para que as pessoas em tratamento do câncer possam usar o medicamento como uso alternativo ao convencional”, finalizou Cassol.